Rodoviária e portos do interior do AM recebem visitas técnicas de fiscais da Arsepam

Fiscais trabalham para mapear necessidades de operadores na rodoviária e nos portos de Itacoatiara e Urucurituba

Fiscais da Arsepam durante visita técnica na rodoviária de Itacoatiara. – Foto: Rafael Seixas/Arsepam

Rodoviárias e portos de municípios do interior do Amazonas estão recebendo visitas técnicas de fiscais da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados e Contradados do Amazonas (Arsepam) para verificar a necessidade de operadores de serviços no transporte rodoviário e hidroviário intermunicipal.

Nessa segunda-feira (18), as equipes do órgão estiveram em Itacoatiara e Urucurituba para fazer a vistoria.

De acordo com o diretor-presidente da Arsepam, João Rufino Júnior, o objetivo das visitas é conhecer as estruturas de transporte de ambos os modais. “Também buscamos iniciar tratativas para futuras instalações de postos de fiscalização nessas localidades”, adiantou.

Em Itacoatiara, os técnicos foram até a rodoviária da cidade e tiveram contato com os operadores do sistema regular e de fretamento eventual. Eles conheceram algumas demandas das entidades de taxistas que atuam no transporte intermunicipal, sendo o Sindicato dos Taxistas de Itacoatiara (Sintaxi) e a Cooperativa de Taxistas de Itacoatiara (Itataxi).

Já a rodoviária do município conta com duas operadoras regulares, a Eucatur e Aruanã, com linhas diárias para Manaus.

Informações coletadas estarão em relatório técnico da Arsepam. – Foto: Rafael Seixas/Arsepam

No sistema hidroviário foram verificadas duas Instalações Portuárias Públicas de Pequeno Porte (IP4s) e um porto privado, conhecido como Jauary.

Os principais destinos a partir dos portos de Itacoatiara são Itapiranga, São Sebastião do Uatumã, Urucará, Urucurituba e a comunidade de Itapeaçu.

Em Urucurituba, as equipes da Agência Reguladora conheceram o IP4 do local, que não conta com o sistema de transporte rodoviário. Segundo o técnico Afonso Henrique, os espaços verificados na segunda-feira contam com boas estruturas portuárias.

“Diante desses conhecimentos in loco, conseguimos identificar o fluxo de passageiros, o número de embarcações que operam no terminal portuário, as frequências de viagens realizadas por cada embarcação, e isso irá nos ajudar, com certeza, na regulamentação [da Lei n° 5.604]”, finalizou Afonso, que nos próximos dias deve conhecer outras estruturas portuárias do Amazonas.

Os dados coletados durante a ação integrarão relatório desenvolvido pelo Departamento de Transporte Rodoviário (DETR) da Arsepam.

As informações coletadas do transporte hidroviário vão ajudar no processo de regulamentação de pontos da Lei n° 5.604, de 16 de setembro deste ano, que dispõe sobre o Serviço Público de Transporte Hidroviário Intermunicipal de Passageiros e Cargas (SPTHI).

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *